Blog

27 Junho, 2017 - TONTURAS

VOCÊ SENTE TONTURA, VERTIGEM OU DESEQUILÍBRIO CORPORAL?

SAIBA COMO A FISIOTERAPIA LABIRÍNTICA PODE TE AJUDAR!


O labirinto está localizado na parte mais interna da orelha. É um órgão de aproximadamente três milímetros que responde pelo sentido de EQUILIBRAR-SE, considerando conforme muitos estudiosos, que o equilíbrio é o nosso sexto sentido.

A parte central do labirinto e os canais semicirculares correspondem ao EQUILÍBRIO. Tanto a audição como o equilíbrio envolvem uma anatomia muito complexa para exercer cada um a sua individual função dentro de um mesmo órgão e conseqüentemente transportar ao sistema nervoso central. Entretanto, o nosso equilíbrio corporal não depende apenas do nosso labirinto e sim de uma complexa interação funcional com os olhos, os receptores sensoriais da pele, músculos e articulações e o sistema nervoso central.

  O labirinto informa sobre as direções dos movimentos da cabeça e do corpo (para cima, para baixo, de um lado para o outro, para frente, para trás e rotações). Os olhos informam onde e como o corpo esta situado no espaço circundante e as direções da sua movimentação. Os receptores de pressão da pele informam qual a parte do corpo que esta em contato com o solo. Os receptores dos tendões, músculos e articulações informam quais as partes do corpo que estão em movimento.

  O sistema nervoso central processa todas as informações recebidas destes sistemas e coordena a manutenção do equilíbrio corporal. Quando o sistema nervoso central recebe informações conflitantes entre estes sistemas, surge a TONTURA.


CAUSAS

  O que sabemos é que contamos com aproximadamente 200 doenças descritas e em aproximadamente 2.000 etiologias/causas que levam a desencadear Labirintopatias (alterações do ouvido interno) ou Vestibulopatias (alterações que ocorrem em qualquer parte do sistema vestibular).

O equilíbrio corporal pode apresentar alterações funcionais originadas nas diversas estruturas do sistema vestibular (vestibulopatias primárias) ou determinadas por problemas clínicos à distância, em outros órgãos ou sistemas, que podem afetá-lo de diferentes maneiras (vestibulopatias secundárias). Numerosas são as causas de vestibulopatias primárias e secundárias: traumatismos de cabeça e pescoço, infecções (por bactérias ou vírus), drogas ou medicamentos (nicotina, cafeína, álcool, maconha, anticoncepcionais, sedativos, tranqüilizantes, antiinflamatórios não hormonais, antibióticos etc), erros alimentares, tumores, envelhecimento, distúrbios vasculares (hiper ou hipotensão arterial, arteriosclerose), doenças metabólicas ( hiper ou hipoglicemia, hiper ou hipoinsulinemia, hiper ou hipotireoidismo, hipercolesterolemia), anemia, problemas cervicais, doenças do sistema nervoso central, alergias, distúrbios psiquiátricos etc. 

Uma mesma doença pode ser originada por diferentes agentes etiológicos, isoladamente ou em combinação. A descoberta da etiologia implica, muitas vezes, na realização de diversos exames subsidiários (hemograma, colesterol e triglicerídeos, TSH (tireóide), curva glicêmica e insulinêmica, entre os exames de sangue), exames otoneurológicos e/ou avaliações em outras áreas médicas (cardiologia, endocrinologia, neurologia, psiquiatria, ortopedia, reumatologia, geriatria).



Uma importante observação esclarecedora é que:

 “Labirintite” ou “Labirintose”  é o termo errado para referir-se a queixa de tonturas, zonzeiras, mal-estar, desequilíbrio corporal, crises com mudanças da posição do corpo ou da cabeça, entre outros. Mas quando referido, qualquer pessoa compreende o que o outro esteja querendo dizer. Portanto, a Labirintite refere-se basicamente a inflamação ou infecção do labirinto, o que é uma manifestação bastante rara clinicamente, assim como a Labirintose, que esta relacionada com processos degenerativos do labirinto.

 

SINTOMAS

  Sentir tontura é a segunda maior queixa mundial presente nos consultório médicos, posterior a queixa de “dor de cabeça” e “dor nas costas”. Diferentes tipos de tontura podem ocorrer em crianças, adolescentes, adultos e mais freqüentemente em idosos. Em 85% dos casos relatados são de origem labiríntica, mais raramente podem ser exclusivamente de origem visual, neurológica ou psíquica.

  Sentir tontura, normalmente refere-se à presença de mal-estar indefinido com intensidade leve, moderado ou intenso, esporádicos, freqüentes ou constantes.  Nos casos de tonturas agudas, referimos que o paciente esteja apresentando uma crise com VERTIGEM, ou seja, quando ocorre uma ilusão de movimento, lhe causando a sensação que o ambiente esteja girando ou o próprio paciente gira em torno do ambiente. Os sintomas que acompanham as crises agudas mais freqüentemente são: 

Náuseas

Vômitos

 

Outras manifestações: 

Perda do Equilíbrio

Suor

Palidez

Mãos frias

Palpitações

Instabilidade ou desvio de marcha

Atordoamente

Desorientação espacial

 

Mais raramente pode ocorrer: 

Sensações de desmaio

Forte e/ou súbita queda

Perdas fugazes da consciência

Diarréia

Micção espontânea.

 

Já a queixa de TONTURA  SEM VERTIGEM pode vir relatadas como: 

Sensação de queda

Afundamento do corpo

Flutuação

Cabeça oca ou pesada

Visão borrada

Constante mal-estar

Enjôos seguidos

Caminhar desorientado

Objetos do campo visual estão “tremendo”, etc.

 

Os sintomas podem ser semelhantes ou até mesmo idênticos aos de outra pessoa, mas a causa, a localização e a extensão do comprometimento labiríntico ou vestibular podem ser completamente diferentes. É extremamente importante ter um diagnóstico adequado para o seu problema. Sem o devido diagnóstico otoneurológico, o tratamento é geralmente ineficiente e as chances de cura são muito menores.


O que é fisioterapia labiríntica?

A fisioterapia labirintica é um tratamento terapêutico com o principal objetivo de eliminar os sintomas de tontura e reajustar o equilíbrio corporal o mais precocemente, para que o paciente recupere sua autoconfiança e retome o mais cedo possível às suas atividades diárias.

O tratamento deve ser realizado por um profissional especificamente habilitado para esta especialidade, ou seja, além de possuir conhecimentos na área deverá ter conhecimentos de anatomia do ouvido interno, suas patologias e conseqüências de doenças que possam afetar a função do labirinto, do reflexo visual e do equilíbrio corporal.

Em nossa clinica, dispomos das mais modernas e atuais técnicas para um adequado tratamento. O tratamento será feito de forma personalizada de acordo com o histórico clínico do paciente. Entre as técnicas de fisioterapia labirintica utilizamos de:


Orientações de dieta e mudanças de hábitos;

Vídeonistagmoscopia digital;

Protocolos de tratamento utilizados em países como Estados Unidos, Itália e Reino Unido;

Estimulações Visuais e Optocinéticas envolvente;

Técnicas atuais de manobras de reposicionamento;

Eletroestimulação cervical paravertebral;

Aparelhos para a estabilidade do equilíbrio corporal;


Descrição:
Voltar aos assuntos